Sal de Prata – 2005

Cátia, uma bem-sucedida economista, precisa repensar sua vida quando seu namorado Veronese, um cineasta polêmico, sofre um ataque cardíaco, deixando um passado obscuro, uma loja de artigos fotográficos, alguns curtas-metragens realizados e muitos roteiros no computador.

Festivais:

  • 36° International Film Festival of India (Índia, 2005)
  • 10° International Film Festival of Kerala (Índia, 2005)
  • 3° Chennai InternationalFilm Festival (Índia, 2005)
  • 1° Festival de Cinema e Vídeo dos Países de Língua Portuguesa (Cabo Verde, 2005)
  • Chicago Latino Film Festival (EUA, 2006)
  • 23º Festival de Cine de Bogotá (Colômbia, 2006)
Créditos:
Direção: Carlos Gerbase
Produção Executiva: Luciana Tomasi e Nora Goulart
Roteiro: Carlos Gerbase
Direção de Fotografia: Jacob Sarmento Solitrenick
Direção de Arte: Fiapo Barth
Música: Tiago Flores
Direção de Produçã: Marco Baioto
Montagem: Giba Assis Brasil
Distribuição: Columbia Pictures do Brasil
Elenco:
Maria Fernanda Cândido (Cátia) Camila Pitanga (Cassandra) Marcos Breda (Veronese) Bruno Garcia (Valdo) Janaína Kremer (Mirabela) Nelson Diniz (João Batista) Júlio Andrade (Holmes)
Prêmios
Prêmio
33º Festival de Gramado (2005) Melhor Montagem
Prêmio
3º Festival de Maringá (2006) Melhor Atriz (Maria Fernanda Cândido) e Melhor Música

“Entre o sofrimento e a alegria, o novo filme de Carlos Gerbase vai do luto à reafirmação da vida, como uma sinfonia que começa em andamento lento e termina colocando a alegria do recomeço. Um painel, portanto, realizado de forma a ressaltar que a arte, tanto a produzida por alguém como aquela contemplada pelo espectador ou sentida pelo ouvinte, não é somente o resultado de uma tarefa profissional. Não é apenas um filme que estamos vendo na tela e não são apenas três. Há mais, no início e no final, quando as intérpretes se dirigem à platéia, e também naqueles filmes que a personagem de Maria Fernanda Cândido realiza com sua imaginação, depois de ler aquelas sugestões para filmes, como poderíamos chamar os roteiros.”
(Hélio Nascimento, JORNAL DO COMÉRCIO, 30/09/2005)

Sal de Prata foi propositadamente dividido em quatro movimentos, como uma sinfonia – o que permite colocar, como disse o próprio diretor, a trilha sonora como personagem. De fato, a trilha, baseada em peças românticas de compositores como Bach, Edward Grieg, Mendelsshon e Tchaikovsky, entre outros, é responsável por alguns dos bons momentos do filme, não só pela qualidade das músicas, mas pela maneira como está intimamente atrelada à história.”
(João Nunes, COSMO ONLINE, 30/09/2005)

Sal de Prata é o ponto da maturidade criativa do realizador de ‘Inverno’ (1983) e ‘Tolerância’ (2000). É cinematograficamente a sua obra mais avançada; infelizmente caiu num tempo em que se prefere louvar a mediocridade e tachar qualquer invenção de pretensão: Gerbase sabe o cinema que quer fazer e o faz com uma naturalidade que escapa à miopia de alguns. É um belo filme no momento errado do cinema brasileiro.”
(Eron Duarte Fagundes, DVD MAGAZINE, 29/09/2005)

“Um dos momentos mais marcantes é o início do filme. Gerbase decidiu impactar com uma cena que merece ser vista desde seu primeiro momento. Bem bolado, o momento cria uma cumplicidade com o espectador que vai além do discurso visual, que se mostra vigoroso, mas que também dá espaço para uma inteligente sequência narrativa. Para isso contou com o talento, com a sensualidade e com a simpatia de Camila Pitanga.”
(Marcos Santuario, CORREIO DO POVO, 24/09/2005)

Sal de Prata, o novo filme do gaúcho Carlos Gerbase, começa com uma cena em que Camila Pitanga fala para a câmera, encara o espectador, a voz torna-se arfante, ela olha para baixo e geme. É sexo oral. Gerbase filmou um orgasmo usando só a sugestão. É um trabalho forte de Camila. (…) É um plano-sequência desde logo antológico, de um efeito comparável – guardadas as diferenças de época – ao célebre nu frontal de Norma Bengell em ‘Os Cafajestes’, de Ruy Guerra.”
(Luiz Carlos Merten, O ESTADO DE SÃO PAULO, 23/09/2005)

“Para Carlos Gerbase, o diretor de Sal de Prata, a fidelidade é um fetiche. Seu longa anterior, ‘Tolerância’, abordava a questão explicitamente, centrado no contexto do matrimônio. Este filme (que teve o lançamento no Rio adiado várias vezes desde o fim do ano passado) retoma o debate e adiciona uma variante: discute-se não só a traição conjugal, mas também a fidelidade à arte do cinema.”
(Marco Antonio Barbosa, JORNAL DO BRASIL, 17/03/2006)

Compartilhar

Mais Acervo

3 Efes – 2007

Sissi, uma jovem com o pai viúvo e desempregado, luta para sustentar a família e sonha em dividir um apartamento com o namorado jogador de futebol. Martina, de situação financeira mais estável, luta para voltar a ser desejada pelo marido publicitário, ou pelo primeiro que aparecer. Giane já mudou de vida e pode influenciar o […]

Faustina – 2002

Episódio da série “Contos de Inverno″, da RBS TV. Conta a história de uma mulher desempregada que faz um estranho pacto com seu tio para ter sucesso na vida profissional.

O Comprador de Fazendas – 2001

Episódio da série “Brava Gente”, da TV Globo. Uma família endividada tenta vender sua fazenda decadente para um produtor de cinema, que planeja filmar uma adaptação do conto “O Comprador de Fazendas”, de Monteiro Lobato, e precisa de uma locação adequada. Tentando enganar o produtor, a família disfarça as más condições da propriedade. Uma produção […]

Tolerância – 2000

Júlio e Márcia decidiram que a fidelidade não seria a base de seu casamento. Nada da crimes passionais, brigas irracionais, nem divórcios. O casal queria apenas conviver, se amar, criar a filha Guida e permanecer livre. Ele jornalista, ela advogada. A princípio idealistas, acabam por se submeterem a uma vida “normal”, mas isso não incluiu […]