3 Efes – 2007

Sissi, uma jovem com o pai viúvo e desempregado, luta para sustentar a família e sonha em dividir um apartamento com o namorado jogador de futebol. Martina, de situação financeira mais estável, luta para voltar a ser desejada pelo marido publicitário, ou pelo primeiro que aparecer. Giane já mudou de vida e pode influenciar o futuro de Sissi. De acordo com o Professor Valadares, essas três mulheres estão apenas tentando saciar seus apetites mais básicos: a Fome, o Sexo e o Fasma.

3 Efes teve um revolucionário lançamento simultâneo em quatro mídias: no mesmo dia (7 de dezembro de 2007) foi exibido nos cinemas; na TV aberta (TVCom) e fechada (Canal Brasil); na internet (pelo Portal Terra); e também foi disponibilizado em DVD.

Créditos:
Direção: Carlos Gerbase
Produção: Carlos Gerbase
Roteiro: Carlos Gerbase
Direção de Fotografia: João Divino
Direção de Arte: Paula Piussi
Música: Laura L e Músicas Intermináveis para Viagem
Direção de Produção: Diego Sardão, Glauco Firpo e Pedro Guindani
Montagem: Giba Assis Brasil
Elenco:
Cristina Kessler (Sissi) Carla Cassapo (Martina) Leonardo Machado (Rogério) Felipe de Paula (Betinho) Paulo Rodriguez (William) Ana Maria Mainieri (Giane)
Prêmios
Prêmio
2º Festival de Cinema da Floresta – Mato Grosso (2008) Melhor Filme

“Carlos Gerbase está fazendo história. Esteticamente, ele também dá um salto de qualidade. (…) Sua trama mistura vários personagens em histórias de sexo e comida que se passam em Porto Alegre. (…) O barato é que 3 Efes, rodado em 20 dias com uma mini-DV, faz dessa simplicidade a sua arma para tentar ganhar o público. (…) Nada contra a ambição (autoral, intelectual, profissional). Mas, no caso dos longas da Casa de Cinema, quanto mais simples tem sido melhor.”
(Luiz Carlos Merten, O ESTADO DE SÃO PAULO, 07/12/2007)

“Com uma abertura que lembra o curta-metragem ‘Ilha das Flores’ (1989), de Jorge Furtado, 3 Efes narra histórias paralelas que convergem para explicar a tese de um personagem fictício sobre os ‘grandes apetites da humanidade’: fome, sexo e fasma (representação da realidade). (…) O tom de farsa, no entanto, funciona como espécie de antídoto para as fragilidades da história. Mais significativo que o próprio filme é o caminho alternativo para o qual aponta com o seu lançamento.”
(Sérgio Rizzo, FOLHA DE SÃO PAULO, 07/12/2007)

“A experiência é única, as chances de assisti-la são muitas. Hoje, o cineasta porto-alegrense Carlos Gerbase apresenta ao público 3 Efes, seu quinto longa-metragem, de uma forma inovadora no Brasil e, pelo que se sabe, no mundo. E esse público é quem escolhe como e onde assistir, e até se paga ou não pelo programa. (…) O longa realça uma marca autoral que Gerbase traz desde seus tempos de super-8: personagens que se enredam em dramas e situações inusitadas para saciar desejos e fantasias sexuais.”
(Marcelo Perrone, ZERO HORA, 07/12/2007)

“A história é bem contemporânea e retrata o cotidiano de personagens urbanos e suas dificuldades. (…) Mundo urbano, cruel e competitivo, com vidas bailando em torno de sexo e do dinheiro como costuma ser nas grandes cidades. Uma história interessante, divertida, com personagens bem desenhados, e com os quais o público jovem talvez possa se identificar.”
(Luis Zanin, O ESTADO DE SÃO PAULO, 07/12/2007)

“Gerbase aborda temas sérios, delicados. Mas dá a eles um tratamento leve, despretensioso, amoral – incluindo aí as discussões que faz acerca da prostituição e da traição no casamento. (…) A energia juvenil que brota de 3 Efes lembra a de ‘Houve uma Vez Dois Verões’. Ela só existe devido a esse tratamento descontraído de assuntos espinhosos – similar à visão adolescente desses assuntos. Ela é o encanto do filme.”
(Daniel Feix, ZERO HORA, 13/12/2007)

“Narrativas simples, infelizmente pouco levadas às telonas, sobre pequenos dramas reais. 3 Efes e a Casa de Cinema de Porto Alegre inovam na contramão de boa parte da produção do eixo Rio-São Paulo.”
(Catarina Scortecci, FOLHA DE LONDRINA, 13/12/2007)

“Ao optar pela leveza e o humor, o realizador conclui seu filme com um achado que tudo resume e permite que a narrativa se conclua de forma tão apropriada quanto divertida.”
(Hélio Nascimento, JORNAL DO COMÉRCIO, 14/12/2007)

Compartilhar

Mais Acervo

Sal de Prata – 2005

Cátia, uma bem-sucedida economista, precisa repensar sua vida quando seu namorado Veronese, um cineasta polêmico, sofre um ataque cardíaco, deixando um passado obscuro, uma loja de artigos fotográficos, alguns curtas-metragens realizados e muitos roteiros no computador. Festivais: 36° International Film Festival of India (Índia, 2005) 10° International Film Festival of Kerala (Índia, 2005) 3° Chennai […]

Faustina – 2002

Episódio da série “Contos de Inverno″, da RBS TV. Conta a história de uma mulher desempregada que faz um estranho pacto com seu tio para ter sucesso na vida profissional.

O Comprador de Fazendas – 2001

Episódio da série “Brava Gente”, da TV Globo. Uma família endividada tenta vender sua fazenda decadente para um produtor de cinema, que planeja filmar uma adaptação do conto “O Comprador de Fazendas”, de Monteiro Lobato, e precisa de uma locação adequada. Tentando enganar o produtor, a família disfarça as más condições da propriedade. Uma produção […]

Tolerância – 2000

Júlio e Márcia decidiram que a fidelidade não seria a base de seu casamento. Nada da crimes passionais, brigas irracionais, nem divórcios. O casal queria apenas conviver, se amar, criar a filha Guida e permanecer livre. Ele jornalista, ela advogada. A princípio idealistas, acabam por se submeterem a uma vida “normal”, mas isso não incluiu […]